Guterres

Não sei se esta histeria que se apodera de Portugal sempre que há um evento importante, é uma característica nacional, ou um fruto da globalização comunicacional.
Uma coisa é certa, nos últimos dias assistimos a uma loucura mediática no endeusamento de António Guterres.
Contudo, em qualquer sociedade livre e democrática uma boa dose de cepticismo é fundamental.
É verdade que em termos de Portugal e amour-propre é positivo ter Guterres como Secretário-Geral da ONU, como foi ter ganho o Campeonato da Europa, ou ter Durão Barroso na Comissão Europeia .
No entanto, os grandes beneficiários destas funções são os próprios indivíduos e não a população em geral.(embora Barroso se tenha encarregue de cobrir de desonra ao aceitar o cargo na Goldman Sachs) Ainda hoje se está para perceber os benefícios que o país teve com Barroso na Comissão, e não se vislumbra aqueles que Guterres possa trazer.
Sejamos claros sobre Guterres em Portugal. Como primeiro-ministro foi um desastre. Iniciou a época de descontrolo das finanças públicas que até hoje persistiu.Não percebo porque dizem que foi o primeiro-ministro mais bem preparado. O que é isso? Tinha um doutoramento em política? Tinha ocupado vários cargos anteriormente? Nada disso. Nem se sabe bem a experiência anterior de Guterres, além de ser um conspirador de sótão. Portanto, essas afirmações são um disparate pegado. Como primeiro-ministro promoveu figurinhas como Sócrates e Vara. Aliás, parece que a história da licenciatura de Sócrates vem daí. Guterres teria exigido que os seus governantes tivessem uma licenciatura, e Sócrates viu-se obrigado a enveredar pelos caminhos que se conhecem. Em suma, um falhanço como primeiro-ministro.
Na cena internacional, desconheço a sua valia. Apenas uma nota me deixou preocupado.  A sua alegada postura anti- israelita. Desconheço se tal é verdade ou não, mas é um mau início para uma função que tem como um dos focos o conflito israelo-árabe.
É melhor ter Guterres como SG da ONU do que outro qualquer. Mas daí a nos babarmos perante o personagem como tolos tem que ir uma longa distância. E rezemos para que não faça as asneiras que fez em Portugal...

Temístocles Menor

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Como o politicamente correcto está a matar a democracia (1): a nova censura

Quem tramou Joana Marques Vidal? Sócrates ou Manuel Vicente?

Pedro Passos Coelho: o estadista com azar