Cadernos da Nova Direita Liberal III-Relações Externas

Portugal, desde a sua formação, nunca foi um país fechado. Pelo contrário, para a sua fundação contribuíram os borgonheses, para a conquista de Lisboa várias nacionalidades, em que se destacaram os ingleses. O primeiro bispo de Lisboa foi inglês. Quando a parte continental europeia foi conquistada o país seguiu o seu desenvolvimento para África e as ilhas adjacentes e depois por aí fora.
Esta tendência cosmopolita foi permanente até ao 25 de Abril de 1974. Nessa altura o país viu-se reduzido, não à sua formulação mínima, mas quase.
Em virtude disso, a orientação dominante da política externa portuguesa foi de encontrar um lugar na Europa. Conseguiu esse objectivo com a adesão à CEE, o que além de colocar Portugal como país europeu, lhe permitiu consolidar a democracia e receber um fluxo intenso de fundos que contribuíram para o seu desenvolvimento (embora pareça existir um certo consenso que esses fundos poderiam term sido melhor aproveitados).
Contudo, é hoje patente que Portugal tem algum desconforto com uma vocação univocamente europeia, aliás tal como a Inglaterra. O país é mais que a Europa em termos políticos, culturais, populacionais,entre outros.
Acreditamos ser esse cosmopolitismo e desejo de expansão que deve orientar a política externa portuguesa e não a inserção a todo o custo no espaço europeu. Obviamente, que Portugal deve estar num espaço europeu, mas deve ir mais longe.
Um dos fenómenos que qualquer pessoa que lide internamente com a defesa dos direitos humanos é a quantidade de populações da Guiné-Bissau e de Cabo Verde que está em Portugal indocumentado, arrisca a vida para vir para Portugal e quando cá chega não se quer ir embora. Há desejo claro dessas populações em estar em Portugal, como continua a haver um desejo português de África. Não se sabe se o inconsciente colectivo de que falava Jung existe, mas a realidade é que parece continuar a existir um desejo de inter-acção entre os povos portugueses e africanos, pelo menos alguns.
Nesta medida, se um primeiro eixo da política externa portuguesa deveria ser a renegociação da permanência na U.E. Esta deve-se manter, mas essencialmente como um espaço económico e de valores comuns; utilizando uma fórmula simplista: Portugal na Europa= Mercado Comum+ Tribunal Europeu de Justiça+ Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (este não é parte da UE, mas do Conselho da Europa, mas deve fazer parte de um sistema comum de valores legais lusos).
O segundo eixo da política externa deveria ser a orientação para realizar uma Confederação de Nações composta por Portugal, Madeira, Açores, Guine-Bissau, Cabo Verde e  talvez São Tomé e Príncipe. Uma confederação não é uma federação, nem um império, mas uma associação livres de nações com interesses em comum e que colocam voluntariamente para acção conjunta alguns aspectos importantes como a criação de uma zona de comércio completamente livre e sem obstáculos alfandegários ou outros, a defesa comum, a política externa comum, e várias matéria que as partes considerassem de relevo.
Assim, acredita-se que a vocação cosmopolita de Portugal tem que ser desenvolvida através da criação de uma Confederação das Nações Lusófonas.

Rui Verde

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quem tramou Joana Marques Vidal? Sócrates ou Manuel Vicente?

O mistério de Luís Delgado e da Impresa

O fim do jornalismo português(2)