PCP: reforma ou revolução? (3)

Há cerca de um ano, era dada como certa a substituição de Jerónimo de Sousa no cargo de secretário-geral do PCP, devido à sua idade avançada e à necessidade de renovar a direcção partidária com quadros mais jovens.
A certa altura começou a circular que Jerónimo de Sousa, sempre muito activo como deputado e com menos tempos para se ocupar do partido, iria ter um secretário-geral adjunto, que seria o seu sucessor. 
De repente, porém, as notícias desapareceram e Jerónimo de Sousa voltou a aparecer como secretário-geral incontestado, quase em paralelo com a aliança informal estabelecida com o PS e com o BE. 
O maior envolvimento do PCP no apoio ao governo do PS e o fim da agitação sindical só porque os trabalhadores da função pública e das empresas públicas recuperaram alguns benefícios, foi acompanhado, entretanto, por rumores que davam conta de que alguns sectores partidários estariam crescentemente críticos das posições do actual secretário-geral.
A questão é, por um lado, a conversão do PCP a uma orientação reformista (e a adopção do “eurocomunismo”, tantos anos depois) e, por outro, as cedências da direcção de Jerónimo de Sousa ao adversário que sempre foi o PS e ao rival que é o BE. 
Em termos práticos, e considerando as eleições, o PCP serve apenas para ajudar a “segurar” o PS e já não se distingue dos “pequeno-burgueses de fachada socialista” do BE. Não é um rumo à vitória… mas à irrelevância. É curto para este partido.
Miguel Urbano Rodrigues, que invocou Lenine, Cunhal e a sua própria militância de 50 anos, não é uma voz isolada. Mas as outras, de quem pensa o mesmo, estão silenciadas pela disciplina partidária. Ao contrário do que aconteceu com os “críticos” que começaram a sair nos anos 80 (de Zita Seabra a João Semedo, passando por Vital Moreira, Pina Moura ou António Teodoro, por exemplo), este novos “críticos” não parecem procurar a imprensa para amplificar as suas afirmações e a imprensa, em geral, já não sai da sua zona de conforto para ir à procura de fontes de informação que não estejam já na agenda dos seus telemóveis. Daí, já agora, o silêncio da própria imprensa.
É natural que esta posição de Miguel Urbano Rodrigues não seja publicamente secundada (embora vá ser invectivada na “Tribuna do Congresso”), tal como é natural que os revolucionários não entrem em conflito com os “reformistas” de Jerónimo de Sousa. O próprio XX Congresso não irá espelhar as divergências. E Jerónimo de Sousa continua a controlar a direcção. 
Mas, por mais silenciosas que elas são, o certo é que as divergências existem. Acredito que haverá novos “sinais”, mais cedo ou mais tarde.

Pedro Garcia Rosado


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quem tramou Joana Marques Vidal? Sócrates ou Manuel Vicente?

O mistério de Luís Delgado e da Impresa

O fim do jornalismo português(2)