A falsidade da recuperação de rendimentos

Pelo que se percebe o grande argumento dos partidos que suportam o governo é que estão a repor os rendimentos dos trabalhadores, e essa é a justifica acima de tudo da sua atividade.
É estranho pois não se percebe que rendimentos estão a repor. É evidente que a resposta óbvia é que retiraram os cortes dos salários da função pública e de algumas pensões.
Contudo, isto em termos agregados não é nada. 
A função pública e alguns pensionistas não são os trabalhadores, nem de longe nem de perto. Mas a questão não é esta. A questão é que toda a política financeira do governo assenta num aumento dos impostos indiretos. Ora os impostos indiretos não são progressivos, são proporcionais, e nessa medida são aqueles que mais afetam os trabalhadores. Por essa razão já em 1912 os social-democratas alemães se opunham a que o financiamento militar se fizesse à custa impostos indiretos, porque eram os que mais prejudicavam os trabalhadores. E facilmente se percebe que o pensionista ou o funcionário público que vê o seu rendimento aumentado, rapidamente o vê reduzido quando vai encher o carro com gasolina, ou comprar um maço de tabaco. Portanto, a dita recuperação de rendimentos é uma pura falácia. Em termos agregados é igual a zero.

Temístocles Menor 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quem tramou Joana Marques Vidal? Sócrates ou Manuel Vicente?

O mistério de Luís Delgado e da Impresa

O fim do jornalismo português(2)