O triunfo dos burros?

Lê-se, relê-se, e não se acredita. Aquelas almas que ocuparam o Ministério da Educação querem realizar mais uma reforma educativa. Para quê? Este ano saíram os resultados do PISA, e uma das principais conclusões desses resultados era que Portugal estava no caminho certo. Se está no caminho certo, para quê mudar? Algum exercício de onanismo intelectual?

Como se não bastasse, a reforma anunciada pretende cortar horas em Matemática e Português, e aumentar em Ciências Sociais. Comecemos por este disparate imenso. Desde, pelo menos 2002/2003 que a grande "luta" dos interessados em assuntos de educação em Portugal foi reforçar o ensino das competências básicas,como escrever e contar, que se aproximavam do grau zero. Para tal foi reforçado e muito bem o ensino do Português e da Matemática. Só sabendo escrever, contar e raciocinar é que se pode ir mais além. O ensino devia-se concentrar em aspectos básicos e essenciais. Este caminho estava certíssimo. Agora, querem-nos introduzir Ciências Sociais. Para quê? Desde logo, muitas Ciências Sociais são exercícios intelectuais estimulantes, mas não passam de vodoo, mas não sendo essa aqui a discussão, o importante é que não se vê qual o ganho na educação com mais Ciências Sociais, que objectivos são procurados? É fugir do rigor, e voltar a cultivar a "conversa fiada". Esta reforma claramente é mais um retrocesso.

Outra peça brilhante da anunciada reforma é a criação de uma disciplina de Educação Cívica. Isso é uma coisa fascista ou comunista. O Estado não tem que educar o cidadão, o Estado tem que dar espaço à família e à sociedade para lhe incutir os valores cívicos comunitários.

Até agora só temos visto burrice nesta equipa da Educação. Chega. Não queremos mais reformas.Não queremos mais atrasos de vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quem tramou Joana Marques Vidal? Sócrates ou Manuel Vicente?

O mistério de Luís Delgado e da Impresa

O fim do jornalismo português(2)