O fim do jornalismo português(2)

Numa zona central da cidade de Caldas da Rainha, capital do concelho com a mesma designação onde moro, existe uma loja que é um misto de papelaria/tabacaria/livraria, de escolhas criteriosas e pessoas simpáticas.
É aí que compro regularmente algumas revistas (cinema, inglesas, e de vinhos, portuguesas) e os jornais ao sábado. 
As publicações estão bem arrumadas e há uma particularidade significativa: os jornais (diários e semanários) estão num canto dispostos num escaparate à altura do tornoze e quem quiser ver-lhes as primeiras páginas tem de curvar-se. Ao contrário, as revistas “sociais” e de televisão (também “sociais”) estão na linha de visão de uma pessoa de estatura média, mesmo à direita da caixa e no que pode ser considerada a zona nobre da loja.
Numa banca de rua, a poucos metros, onde o espaço está mais condicionado, os jornais do dia nem se vêem a um primeiro relance. Mas as revistas, “sociais” e outras, lá estão, bem à vista.
O computador pessoal que uso, com o sistema operativo da Microsft que é o Window 10, brindou-me, quase logo no início de o ter, com uma singularidade. Ao abrir o programa de navegação Microsoft Edge, aparece-me uma catadupa de “janelas” com “notícias”, de fontes diversas, vagamente actuais umas e ultrapassadas outras e uma infinitude de “O que deve saber…”, “Saiba tudo sobre…”, “Porque deve comer banana” (a sério!), “Conheça os lagos mais bonitos do planeta” e coisas do género. É uma coisa chamada “MSN Portugal”.
O menu não me atrai especialmente, há fontes duvidosas e os erros de português, além do estilo, repelem-me em absoluto.
Acredito, porém, que todas as pessoas a quem isto aparece se dêem por satisfeitas: já têm todas as notícias do dia e o que ouvirem na rádio, virem de passagem na televisão ou encontrarem no Facebook completam o menu proposto.
Alguém acredita que, neste quadro, há quem queira comprar jornais?

Pedro Garcia Rosado

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quem tramou Joana Marques Vidal? Sócrates ou Manuel Vicente?

Pedro Passos Coelho: o estadista com azar

Universidade Independente e Sócrates: Não há Justiça. Só teatro trágico.